Articles Comments

Site da Lihpe – Liga de Pesquisadores do Espiritismo/Association of Researchers on Spiritism » 3º ENLIHPE – Notas

3º ENLIHPE – Notas

 

Cerca de 80 pessoas passaram a tarde de sábado e a manhã de domingo na Associação Espírita Célia Xavier em Belo Horizonte/MG, estudando e discutindo a preservação da memória e a pesquisa espírita. Eles vieram de nove cidades diferentes dos estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

O público foi composto de lideranças espíritas, historiadores e outros profissionais, com formação superior ou de pós-graduação, assim como trabalhadores espíritas.

O terceiro Encontro Nacional da LIHPE foi composto de dois simpósios, oito trabalhos e discutidos quatro projetos institucionais relacionados à cultura e memória, além do lançamento de livros e da apresentação da peça teatral “As Mesas Girantes”.
Segue uma sinopse dos principais trabalhos:

Seminário de História e Memória

– Miriam Hermeto (professora universitária, historiadora e mestre em educação) tratou de teoria e metodologia de pesquisa histórica, desenvolvendo assuntos como características do ofício de historiador, trabalho com as fontes históricas, biografia x história de vida e preservação do patrimônio cultural no movimento espírita.

– No debate dos projetos no dia seguinte, ela informou que há muitos recursos financeiros disponíveis para projetos de cunho cultural no Brasil, seja administrados pelo Estado nos seus três níveis, seja sob a forma de incentivo fiscal para pessoas jurídicas e físicas, mas o movimento espírita vem tendo uma ação tímida, em suas diversas esferas, na preparação e submissão de projetos culturais.

– Uma análise da história do movimento espírita brasileiro nos mostra que desenvolvemos áreas como a prática mediúnica, o estudo sistematizado e a promoção social, mas faltam espaços de trabalho sistematizado nas instituições espíritas para a preservação da memória e a realização/divulgação da pesquisa científica de temas espíritas.

– A historiadora também afirmou que outros segmentos sociais de cunho religioso e cultural, como os culto afro-brasileiros, têm demandado e obtido dos órgãos oficiais de preservação da memória, como arquivos públicos, recursos para projetos de recuperação e documentação.

– Jáder Sampaio (Professor da UFMG, Psicólogo, Doutor em Administração) chamou a atenção para o fato de os livros espíritas agora estarem sendo repassados às livrarias por distribuidoras, e que, mais que há trinta anos atrás, a lógica de mercado tem chegado ao centro espírita. Ele sugere que os centros espíritas tenham especial atenção sobre os títulos que comercializam, para que não se tornem meras livrarias de mercado, vendendo apenas lançamentos e romances procurados pelo público e se esquecendo que têm um papel importante na divulgação do Espiritismo.

– Ele tratou de bibliotecas espíritas e destacou o cuidado que este órgão deve ter com seu acervo. Seu papel não se resume a emprestar livros muito procurados pelo público, mas ser um centro de referência, onde o estudioso possa fazer pesquisas e se possa ter um acervo compreensivo das obras espíritas.

– Alexandre Rocha (editor das Publicações Lachâtre, bacharel em letras e especialista em administração) complementou a questão das bibliotecas dizendo ser prática comum o pedido de doação livros para editoras espíritas. Ele sugere que as bibliotecas possuam uma política de aquisição de acervo, buscando recursos para tal, o que viabilizaria a publicação de inúmeras obras importantes para o Espiritismo que não saem a público pela falta de interesse.

Em frase de efeito, Alexandre informou ao público que a única biblioteca que adquire os livros históricos da Lachâtre sistematicamente é a biblioteca de Washington.

Seminário de Pesquisa

– Alexandre Fonseca (Doutor em Física) e Jáder Sampaio responderam a um bloco de perguntas sobre o conhecimento científico, que mostraram que existem diferentes metodologias de pesquisa para as ciências humanas e naturais. O conhecimento científico não se fundamenta apenas em experimentos cruciais, mas na aceitação das teorias e idéias pela comunidade de cientistas de uma determinada área. Isso coloca à pesquisa de temas de interesse do Espiritismo a obrigação de buscar interlocução com a comunidade científica.

– Os dois expositores afirmaram que muitos conceitos de suas áreas de atuação, Física e Psicologia respectivamente, vêm sendo utilizada de forma equivocada e sem fundamentação em textos publicados por autores espíritas. Essa situação demanda uma interlocução maior com os especialistas das diversas áreas que atuam no movimento espírita e um cuidado maior dos órgãos de divulgação e dos autores com a redação e publicação dos textos.

– Foram apresentados os conteúdos de muitas teses e dissertações publicadas recentemente e que são do interesse do movimento espírita, mas as áreas de conhecimento predominantes ainda são as ciências humanas e sociais e os estudos se referem, em sua maioria, ao Espiritismo como um movimento religioso.

– Foram propostas muitas idéias para o fomento da pesquisa de temas espíritas no ambiente universitário, como a construção de redes de pesquisadores espíritas das diversas áreas já atuantes nas universidades, o fomento da pesquisa através de bolsas de pós-graduação a serem oferecidas por instituições espíritas, aos moldes do que faz a Society for Psychical Research inglesa, o intercâmbio com pesquisadores de parapsicologia que estejam desenvolvendo temas de interesse do Espiritismo no Brasil e no exterior, a criação de bancos de teses e dissertações nos órgãos de cultura e memória espírita, a criação de espaços especializados na mídia espírita e o compromisso dos dirigentes das casas espíritas em inserir temas de divulgação desses trabalhos em uma linguagem compreensível ao grande público.

Apresentação de Trabalhos Inscritos

– Alexandre Rocha mostrou-nos em seu trabalho que Clóvis Ramos, cuja desencarnação passou quase em branco pelo movimento espírita, nos deixou um acervo de quase 400 livros escritos, a grande maioria deles não publicados.

Ele está levantando esse acervo e já localizou cerca de 200 títulos (153 inéditos e 47 publicados). Alexandre também tratou da vida de L. Palhano Jr., escritor e pesquisador espírita.

– Com base na informação acima, ele propôs que os centros de documentação e as bibliotecas espíritas criassem um espaço para o depósito de originais que ainda não tiveram publicações, com fornecimento de um registro para assegurar os direitos autorais, aos moldes do escritório de direitos autorais da Biblioteca Nacional.

– Paulo Henrique (editor da revista Universo Espírita) apresentou um trabalho no qual denuncia que a grande maioria de fontes e informações que temos disponíveis sobre Mesmer está incorreta ou imprecisa e que se fundamentaram nas obras de seus críticos. Ele realizou um trabalho de fôlego de obtenção e tradução dos livros desse autor e em breve o movimento espírita poderá ter acesso a eles. A imagem difundida do homem da casaca lilás (dourada em outras versões) com uma varinha nas mãos, tocando aos pacientes para transmitir o magnetismo animal é, portanto, uma criação de seus inimigos.

– Milton B. Piedade (coordenador da LIHPE) apresentou um trabalho no qual ele discute o conteúdo das mensagens atribuídas a Allan Kardec, ditadas a Zilda Gama, que foram publicadas no livro Diário dos Invisíveis, publicado em 1920. No seu trabalho ele faz uma biografia da médium e descreve os diversos cuidados e preocupações de Zilda na identificação do espírito. Este trabalho faz parte de um projeto maior no qual o autor vem estudando as mensagens atribuídas a Kardec obtidas por diversos médiuns conhecidos pelo movimento espírita. Esse trabalho suscitou uma viva discussão sobre a necessidade de se conhecer mais o processo de construção do texto mediúnico, sobre a análise comparativa da linguagem do texto mediúnico de autores conhecidos e sobre os processos psiconeurológicos da psicografia.

– Eduardo Carvalho Monteiro (escritor, coordenador da LIHPE, assessor pró-memória da USE-SP) apresentou suas pesquisas e as próximas publicações que estão em andamento.

– Jomar T. Gontijo (engenheiro eletrônico e especialista em Ética) membro do Grupo de Estudos de Ética apresentou um trabalho sobre ética espírita, no qual ele distingue ética de moral, apresenta as diversas influências que a ética recebeu no ocidente: Aristóteles, Jesus da Galiléia, Immanuel Kant, Jeremy Bentham e Jurgën Habermas. Ele propõe que se reavalie o jargão que diz que “a ética espírita é a ética cristã”, para que não se venha a confundir o cristianismo histórico com o Espiritismo. Ele defende que a ética espírita é cognitivista, empírico-racionalista, deôntica-teleológica, transdiscursiva, naturalista-evolucionária e universal.

– Gil Restani de Andrade (administrador, diretor do Instituto de Cultura Espírita de Minas Gerais) recuperou com detalhes o episódio em que aconteceram raps no escritório do Sr. Allan Kardec, fazendo-o rever conceitos que estavam sendo desenvolvidos.

– O Dr. Alexandre Fontes da Fonseca apresentou o trabalho controle do caos e influência dos espíritos na natureza no qual mostra, com base na teoria do caos, como a ação dos espíritos nos fenômenos naturais, especialmente em um fenômeno de grande porte como uma tempestade, poderia ser explicada.

– Thelma Virgínia Rodrigues (engenheira elétrica e mestre em engenharia) mostrou as consistências entre idéias de “O Livro dos Espíritos” e as concepções contemporâneas dos estudos de “Ciência, Tecnologia e Sociedade – CTS”.

Comunicações de Projetos e Realizações Institucionais

– Alexandre Zaghetto (representante da Federação Espírita Brasileira) apresentou os principais cuidados que estão em curso para a preservação e digitalização da biblioteca de obras raras. Ele respondeu a muitas perguntas do público.

– Paulo Sérgio Manhães Peixoto (representante do Conselho Espírita de Unificação de Niterói) apresentou com detalhes as diversas atividades do Primeiro Mês de Cultura Espírita de Niterói. Inauguração da praça Professor Rivail em Piratininga, instituição e comemoração do Dia do Livro Espírita a partir de lei na Câmara Municipal de Niterói, monumento, placas comemorativas, lançamento de selos comemorativo, realização da exposição de “banners” das fotografias de “Allan Kardec” feitas por Edson Audi, peças teatrais, conferências, feira de livro espírita, lançamento do livro “Para Entender Allan Kardec” e cine-debates foram algumas das principais realizadas junto à população da antiga capital do estado do Rio de Janeiro.

– Felipe Estabile Moraes (historiador, especialista em História e Diretor do Departamento de Assuntos de Unificação da União Espírita Mineira) apresentou as ações realizadas por essa instituição na preservação da memória, o que inclui a publicação de livros e a recuperação dos seus arquivos. Ele apontou a necessidade do desenvolvimento de um projeto mais substancial, recordando a todos que essa instituição se tornará centenária em 2008.

– Eduardo Carvalho Monteiro e Paulo Henrique apresentaram com detalhes o seu projeto de um Centro Cultural e de Documentação do Espiritismo. Ele prevê a construção de três tipos de bibliotecas: uma biblioteca especializada espírita, uma biblioteca de obras raras e uma biblioteca de monografias. Prevê também um centro de documentação histórica, um museu da imagem e do som, um centro de mídia e um centro de cultura, pesquisa e projetos, no qual se fará, entre outras coisas, exposições de obras e ambientes culturais. Já foi doado um pequeno prédio na cidade de São Paulo no qual funcionará este Centro. Os autores estão viajando pelos estados buscando a adesão de companheiros espíritas para se criar uma rede articulada de Centros de Documentação. Sua ida ao estado do Rio de Janeiro já deu frutos positivos.

As Mesas Girantes

A Companhia Espírita Laboro apresentou sua bem humorada peça “As mesas girantes”. A trama focaliza cinco situações: a família Fox, o quacker norte-americano Issac Post, a Sra. Hayden, o episódio de Kardec com Fortier e o drama fictício da Madame Gerard. Os esquetes combinaram precisão de dados e informações históricas com uma linguagem corporal de “arte clown”, canções com arranjos vocais e instrumentos musicais. O resultado é um espetáculo leve, emocionante, que instrui e diverte e que arrancou minutos de aplausos dos participantes, que se puseram de pé. A peça encantou a todos, que saíram refeitos após um dia de trabalhos intelectuais pesados. A companhia ofereceu o seu espetáculo ao evento gratuitamente, mostrando que é possível realizar divulgação do pensamento espírita através da arte e da criatividade.

Lançamento de Livros

Foram lançados os livros “História da Radiodifusão Espírita”, de Eduardo Carvalho Monteiro, “Bezerra de Menezes, o 13o. Apóstolo”, de Jorge Damas Martins (que não pode estar presente), “Dr. March em dois Planos” de Alexandre Machado Rocha e o “Aspecto Científico do Sobrenatural” de Alfred Russel Wallace, traduzido por Jáder Sampaio.

Homenagem a Napoleão Araújo

A mesa de abertura homenageou a Napoleão Araújo, membro da LIHPE que desencarnou em novembro de 2003. Napoleão foi presidente, vice-presidente e conselheiro da Federação Espírita do Estado do Paraná, participava ativamente das trocas de informações na LIHPE e divulgava alguns dos trabalhos através da homepage da FEP.

Instituições que apoiaram a realização do evento

Associação Espírita Célia Xavier – AECX
Conselho Espírita de Unificação do Município de Niterói – CEUNIT
Editora Madras Espírita
Federação Espírita Brasileira – FEB
Grupo de Estudos Avançados Espíritas – GEAE
Grupo Educação, Ética e Cidadania – GEEC
Jornal Correio Fraterno do ABC
Liga de Historiadores e Pesquisadores Espíritas – LIHPE
Livraria “Ysnard Machado Ennes”
Livraria e Editora da União Espírita Mineira
Publicações Lachâtre
Revista “Universo Espírita”
Site Panorama Espírita
Site Terra Espiritual
União das Sociedades Espíritas do Estado de São Paulo – USE/SP
União Espírita Mineira – UEM

 

 

Comments are closed.